terça-feira, 29 de abril de 2008

Fernanda Young

Antes mesmo de saber quem ela era, já era sua fã.

"Bossa Nova" deve ter sido meu primeiro contato. Hj a tarde, tive a sorte de ligar a tv e estar passando! Fiquei lá vendo, chorando...

Graças ao c.h.i.c.o. fui apresentada a ela. No camarim de um show do Andreas e convidados no Via Funchal (minha casa de shows predileta). Ela estava com a Vânia Reis e Marisa Orth. Très Chic!

Depois: Saia Justa, Os Normais, Os Aspones (que só eu e D. Selva assistiamos), O Sistema (este nem D. Selva encarou), Minha nada mole vida, o filme com nome impossível de ser gravado pela minha pessoa, os livros, a coluna da Claúdia...

Esta sempre era lida na sala de espera da terapia. Uma das minhas prediletas:

A todos que não foram e não ligaram

Bom, você não foi. E não ligou. A mim, só restou lamentar a sua falta de educação. Imaginando motivos possíveis. Será que você não foi porque realmente não pôde ou simplesmente não quis? Será que não ligou para não me magoar ou justamente o inverso disso?
Estou confusa, claro. Achava que você iria.
Tanto que eu aguardei sua chegada por mais minutos do que deveria, inventando desculpas esfarrapadas para mim mesma. O trânsito, o horário, a meteorologia. Qualquer pneu furado serviria. E até o último instante, juro, achei que você chegaria a qualquer momento. Pedindo perdão pelo terrível atraso. Perdão que você teria, junto com uma cara de quem está acostumada, e assim encerraríamos o assunto. Mas você não foi.
Esperei outro tanto pelo seu telefonema, com todas as esclarecedoras explicações. Para cada razão que houvesse, pensei numa excelente resposta. Para cada silêncio, num suspiro. Para cada sensatez de sua parte, numa loucura específica da minha.
Se você tivesse ligado do celular, eu seria fria. Se tivesse ligado do trabalho, seria levemente avoada. Se a ligação caísse, eu manteria a calma.
Foram muitos dias nessa tortura, então entenda que percorri todas as rotas de fuga. Cheguei a procurar notícias suas pelos jornais, pois só um obituário justificaria tamanha demora em uma ligação.
Enfim, por muito mais tempo do que desejaria, mantive na ponta da língua tudo o que eu devia te dizer, e tudo o que você merecia ouvir, e tudo. Mas você não ligou.
Mando esta carta, portanto, sem esperar resposta. Nem sequer espero mais por nada, em coisa alguma, nesta vida, para ser sincera. No que se refere a você, especialmente, porque o vazio do seu sumiço já me preenche; tenho nele um conforto que motivos não me trarão.
Não me responda, então, mesmo que deseje. Não quero um retorno; quis, um dia, uma ida. Que não aconteceu, assim deixemos para lá.
Estaria, entretanto, mentindo se não dissesse que, aqui dentro, ainda me corrói uma pequena curiosidade. Pois não é todo dia que uma pessoa não vai e não liga, é? As pessoas guardam esses grandes vacilos para momentos especiais, não guardam?
Então, eis a minha única curiosidade: você às vezes pensa nisso, como eu penso? Com um suave aperto no coração? Ou será que você foi apenas um idiota que esqueceu de ir?

Coloquei no link, a coleção completa!

2 comentários:

Luiz Tato Zonzini disse...

além de entender a gente ela é fofa e até me deu um abraço.

c.h.i.c.o disse...

eu apresentei?